CNA faz live sobre como reduzir danos das geadas na produção de café
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
CNA faz live sobre como reduzir danos das geadas na produção de café

CNA faz live sobre como reduzir danos das geadas na produção de café

Em evento nesta quarta-feira, 20, especialistas da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e do Senar falam sobre o que fazer após danos por geadas no cafezal

< 1 minuto de leitura

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) promove uma live com dicas aos produtores de café sobre como reduzir os danos das geadas. O evento on-line será nesta quarta-feira, 20, a partir das 17h, com o tema “O que fazer após os danos por geadas e granizo no cafezal?”. Dessa forma, o objetivo é apresentar orientações sobre ações que reduzam esses impactos para a próxima safra de café.

Além de nomes da CNA, participam especialistas do sistema Senar. Assim, os convidados do evento são o Coordenador de Produção Agrícola da CNA, Maciel Silva; a Superintendente de Seguros Agrícolas da MAPFRE, Cátia Rucco; o Pesquisador da Fundação Procafé, Marcelo Jordão, e o Diretor do Departamento de gestão de Riscos (SPA/MAPA), Pedro Loyola.

O evento poderá ser acompanhado gratuitamente no canal do Youtube da CNA, pelo link.

Danos das geadas

As geadas causaram perdas de 19% nas áreas de café em Minas Gerais. Ou seja, a porcentagem é equivalente a 173,68 mil hectares, segundo estimativa da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado (Emater-MG).

Estudo da Emater-MG mostra, ainda, que as geadas afetaram mais o Sul de Minas. Pois 77% dos 170 municípios atingidos ficam nessa região.

Como resultado, a Emater-MG elaborou uma cartilha com orientações aos produtores prejudicados pelas geadas. Acesse aqui o documento.

Ajuda

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) definiu as condições para a liberação de crédito no valor de R$ 1.318.582.400 do Funcafé a produtores que tiveram perdas com as geadas.

Para essa linha de crédito, a taxa de juro está mantida em 7% ao ano. O voto será submetido ao Conselho Monetário Nacional. Em seguida, os 34 Agentes Financeiros que operam com o Funcafé terão acesso a linha de crédito. Assim, no início de novembro, o recurso deverá estar à disposição dos cafeicultores.