CNC faz alerta sobre a expansão da cultura do café e os preços
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
CNC faz alerta sobre a expansão da cultura do café e os preços

CNC faz alerta sobre a expansão da cultura do café e os preços

Na visão do CNC, é preciso trabalhar num projeto de renovação do parque cafeeiro com melhor aproveitamento da terra

< 1 minuto de leitura

O Conselho Nacional do Café (CNC) fez um alerta sobre os cuidados com a expansão da cultura do café para evitar aviltamento de preços. Ou seja, impedir a queda brusca nos valores do produto.

Isto porque, a Organização Internacional do Café (OIC) tem como um dos seus objetivos preservar a relação equilibrada entre oferta e demanda. Assim, busca analisar estrategicamente a abertura de novas áreas de produção.

Porém, sem mudança no comportamento de consumo, a experiência dos representantes do setor, a exemplo do CNC, mostra que o desequilíbrio entre essa equação traz comprometimento da renda do produtor.

CNC faz alerta

“Recentemente, um governador brasileiro esteve visitando a OIC. Ele consultou o Diretor Executivo da organização, José Sette, sobre a possibilidade de liberar recursos para o cultivo do café no estado, na busca, inclusive, de investidores. Talvez pela falta de conhecimento ele não saiba que a OIC não dispõe de recursos para cultivo ou comercialização de café e que a representação do Brasil se faz através das entidades que compõem o Conselho Deliberativo de Política do Café (CDPC)”, diz o texto publicado pelo CNC.

Além disso, é importante destacar que, na visão do CNC, é preciso trabalhar num projeto de renovação do parque cafeeiro com melhor aproveitamento da terra. Assim, usando espaços e variedades mais produtivas, resistentes a pragas e doenças, e com olhar voltado às mudanças climáticas.

“O CNC proporá, no seu plano estratégico de 2022, um levantamento da área cultivada em espaços inadequados e lavouras velhas, pouco produtivas. Assim, será proposto um projeto especial para pequenos produtores, a nível nacional. Com isso, teremos diminuição de custo de produção, aumento da produtividade, mais qualidade do café e melhor renda para os nossos produtores.”