Como o consumo de café influencia nosso coração?
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
Como o consumo de café influencia nosso coração?

Como o consumo de café influencia nosso coração?

O consumo de café em níveis moderados tem diversos efeitos benéficos à saúde, inclusive para o coração

2 minutos de leitura

Como o consumo de café pode influenciar na saúde do coração? Pessoas com pré-disposição à problemas cardiovasculares devem evitar ou reduzir o consumo?

No episódio 25 do Podcast Destaque da Ciência, do Jornal da USP, a professora  Andreia Miranda, pesquisadora do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP falou sobre o assunto. Além disso, repercutiu sobre um artigo publicado na revista The American Journal of Clinical Nutrition, em 2021, por pesquisadores da Universidade do Sul da Austrália. Ou seja, com o objetivo de investigar se os sintomas cardiovasculares podem sofrer alterações dependendo dos padrões habituais de consumo de café. Para isso, o estudo foi desenvolvido com mais de 390 mil participantes.

Benefícios

De acordo com a pesquisadora, há uma década estudos apontavam para o efeito prejudicial da cafeína. Já que era sempre associada ao aumento da pressão cardiovascular. Mas, com o tempo e novos estudos, ficou demonstrado que o consumo de café em níveis moderados tem diversos efeitos benéficos à saúde, e em específico para o coração.

“Age no sistema nervoso central e é benéfico por causa dos polifenóis. Esses são compostos antioxidantes que podem proteger o metabolismo contra algumas condições de saúde. Além disso, ajuda a melhorar o funcionamento do coração, pois possui propriedades antiinflamatórias e antioxidantes, que ajudam na circulação sanguínea e no controle da pressão arterial. Os polifenóis podem ser encontrados em frutas, legumes, verduras e cereais ”, explicou.

Ainda de acordo com a pesquisadora, foca-se muito nos efeitos da cafeína. Mas, o café é uma bebida bastante completa, com mais de 2 mil substâncias químicas, rico em mineral, potássio, magnésio, vitaminas e aminoácidos.

Entretanto, segundo Miranda, no caso de pessoas com pré-disposição a problemas cardiovasculares – o que inclui aumento de pressão arterial, angina e arritmia -, a ingestão de café precisa ser feita com mais moderação. “Nestes casos, é necessário que a pessoa faça uma autoregulação nos hábitos de ingestão”, disse.

Quantidade

A quantidade recomendada de consumo de café diário varia de perfil e da saúde de cada um. Mas, de modo geral, recomenda-se um limite máximo de 4/5 xícaras dia, ou seja, 200 ml (xícara de 50 ml cada, aproximadamente).

“Quando se ultrapassa seis xícaras diárias existe um risco da cafeína provocar taquicardia e aumento da pressão arterial. E por atuar como estimulante pode causar  irritabilidade, inquietação e insônia. Assim como problemas gástricos e enxaquecas”, completou.

Vício ou hábito

A pesquisadora explicou que apesar do senso comum falar sobre o vício em café, não há estudos que comprovem efetivamente essa teoria. Além disso, frisou que o chamado vício seria mais psicológico, ou seja, vinculado ao hábito e rotina, que propriamente  biológico.

Bom para a saúde

Além de ser um aliado à saúde do coração, se consumido com moderação e critério, o café ajuda a evitar várias doenças, principalmente a diabetes tipo 2, alzheimer e parkisson, bem como ajuda no controle da obesidade por ser termogênico.

“Isso sem contar a ajuda à parte cognitiva, do humor e no alerta”, afirmou.