Consumo de café se mantém em alta
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
Consumo de café se mantém em alta

Consumo de café se mantém em alta

No entanto, Leste Europeu passará por desafios no próximo trimestre por conta da guerra

2 minutos de leitura

A cafeicultura enfrentou desafios que vão do campo à xícara. O consumo de café, portanto, foi pauta no mercado nos dois últimos anos de pandemia, de acordo com o Portal Notícias Agrícolas.

Conforme a Abic – Associação Brasileira da Indústria do Café, relatório do Rabobank mostrou 0,6% na demanda global por café no primeiro trimestre de 2022. Isso em relação ao mesmo período em 2020. Entretanto, a busca pelo produto foi mais expressiva com alta de 9% no Reino Unido e 4,6% nos Estados Unidos. No Japão a alta foi de 5,1%, comparado ao ano passado.

Diante destes dados e das incertezas, o cenário se mostra positivo, mas a Abic destaca que os índices ainda estão longe dos níveis pré-pandemia. “Mas apontam que o mercado segue forte, mesmo com o complicado cenário internacional, especialmente, no que diz respeito à guerra entre Rússia e Ucrânia. Os países envolvidos no conflito do leste europeu devem continuar com dificuldade de importações”, afirma a associação.

Balança Global

As análises do banco holandês estimam que a balança global da oferta de café passe de um déficit de 5,1 milhões de sacas de 60 quilos, observado entre outubro e setembro da safra 2021/2022, para um superávit de 1,7 milhão de sacas na safra 2022/2023.

Neste mesmo período, o banco trabalha com redução nas importações da China. Consequência das novas restrições e lockdown diante do aumento de casos confirmados da Covid-19. Os dados mostram que os dois países terão demandas de 25% a 50% nos próximos três meses.

Consumo interno de café tem queda mínima

Dessa forma, o diretor executivo da Abic, Celírio Inácio da Silva, informou ao Notícias Agrícolas que no acumulado do ano o consumo de café registrou apenas 0,1% de baixa. Esta queda é mínima, visto o cenário pandêmico do país e em volume representa três mil sacas.

Ele também explicou que, atualmente, a Abic acompanha por meio de dois sistemas, o de produção – que não significa necessariamente que aquele volume foi comercializado e também pelo sistema “Horus” – que se tratam das informações repassadas pelos pontos comerciais.

Os números da Associação demonstram que, apesar da crise que afetou toda cadeia da cafeicultura – antes e depois da porteira -, o consumo de café no mercado interno se manteve firme.

Além disso, o Brasil fechou o ano com o consumo de 21,5 milhões de sacas, o que representou alta de 1,71%. Neste período, o único alerta oficial da Abic foi em dezembro de 2021, justamente quando os preços subiram 40% para o consumidor final, com registro de queda de aproximadamente 14%.

Por fim, Celírio conclui dizendo: “tecnicamente não tivemos queda de venda, apesar do mercado ter se assustado com a alta nos preços. O café tem um elemento específico que é o consumidor reagindo na primeira compra, na segunda, se necessário, ele procura por outra marca”, explica.