Cooperativismo se torna alternativa durante crise na pandemia
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
Cooperativismo se torna alternativa durante crise na pandemia

Cooperativismo se torna alternativa durante crise na pandemia

Modelo do cooperativismo ganha força durante as dificuldades geradas pela crise da pandemia. União é um dos diferenciais do movimento

2 minutos de leitura

Melhores ganhos, inspiração nas relações de trabalho e alternativa para a crise. O cooperativismo é destaque neste contexto diante da crise provocada pela pandemia.

A importância do movimento é, inclusive, destaque na série Ciclo do Trabalho, produzida e publicada por Ecoa. Confira aqui.

Esta série tem como objetivo, segundo ECOA, falar sobre pessoas, empresas e iniciativas que promovem a geração e manutenção de renda e emprego. Então, a atuação do cooperativismo durante a crise da pandemia é destaque.

Na reportagem especial sobre o Cooperativismo, o leitor encontra a história de cooperativas, como uma do Pará, criada por extrativistas e agricultores para representar os frutos de seus trabalhos.

Ato de cooperar

A reportagem também destaca a importância do ato de cooperar. Pois, o princípio do cooperativismo interfere positivamente na vida de um cooperado. Especialmente num período de grandes impactos econômicos provocados pela Covid-19.

Importante saber que uma cooperativa é uma organização formada por membros de determinado grupo econômico ou social, que tem como objetivo desempenhar, em benefício comum, determinada atividade.

Cooperativismo na pandemia

A transformação na vida de produtores cooperados é evidente. Segundo o Anuário do Sistema Ocemg, o movimento cooperativista movimentou R$ 73,4 bilhões em 2020 no estado de Minas Gerais, por exemplo.

Ou seja, um crescimento de 20,7% em relação aos R$ 60,8 bilhões registrados em 2019.

O Anuário também destacou a participação do setor no Produto Interno Bruto (PIB) estadual, que ficou em 11%.

Em Minas Gerais, 29,5% da população está ligada direta ou indiretamente a uma cooperativa, ou seja, 3 em cada 10 mineiros são cooperativistas.

Os valores ganham ainda mais destaque quando comparados com o PIB de Minas Gerais e do Brasil.

No mesmo período, a economia no estado teve queda de 3,9%, enquanto o Brasil obteve um decréscimo do PIB de 4,1%, de acordo com dados da Fundação João Pinheiro (FJP) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), respectivamente.