Falta de contêineres atinge exportações brasileiras
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
Falta de contêineres atinge exportações

Falta de contêineres atinge exportações

Brasil já sente os impactos. Entraves vêm de limitações logísticas provocadas pela retomada do comércio internacional no pós-pandemia

2 minutos de leitura

Notícia publicada pelo site Globo Rural (clique aqui) mostra que o ritmo das exportações brasileiras de alimentos (carne, frutas, café) e de outros produtos que dependem de contêineres estão esbarrando em limitações logísticas provocadas pela retomada do comércio internacional no pós-pandemia.

De acordo com a reportagem, com o aumento das trocas comerciais em meio ao maior tempo para o desembaraço de cargas nos principais portos do mundo, esses setores têm enfrentado dificuldade para encontrar contêineres vazios para embarcação da produção, ocasionando aumento de custos de frete e logística.

Ao repórter Cleyton Vilarino, o presidente executivo da Associação Gaúcha de Avicultura, José Eduardo dos Santos disse que “muitos estão alegando que os armadores estão, digamos assim, racionando as operações para o Brasil como um todo e mais ainda para o Rio Grande do Sul por estar na ponta do país. E isso gera toda uma dificuldade porque as empresas têm todo um planejamento para atender o mercado interno e externo. Não podemos dizer para as aves pararem de crescer”.

José Eduardo ainda disse à Globo Rural que algumas empresas já cogitam reduzir os abates para reduzir os custos com estocagem, uma vez que os produtos de exportação atendem a características específicas de cada mercado. Só entre os dois maiores importadores, China e Arábia Saudita, as diferenças já são gritantes.

Falta de contêineres

Segundo a reportagem, a falta de contêineres não é uma novidade no Brasil. Ao Globo Rural, o diretor-executivo da Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Empresas Transportadoras de Contêineres, Wagner Rodrigo Cruz de Souza, disse que devido às diferenças entre as importações e as exportações brasileiras, sempre houve falta de contêineres de vinte pés usados para o setor de alimentação. Desde março, contudo, isso se agravou devido ao maior tempo de retenção das cargas, sobretudo na China e nos EUA.

Enquanto as exportações brasileiras de alimentos se dão em contêineres de 20 pés, as importações, concentradas em produtos industrializados, demandam contêineres de 40 pés. O agravamento dessa diferença, segundo Souza, gera maior custo logístico pois exige que os armadores transportem cargas vazias, sem frete contratado. À reportagem, uma companhia de frete marítimo considerou a situação como uma “tempestade perfeita” por conta do fluxo global de contêineres, uma vez que os consumidores estão comprando mais produtos brasileiros do que nunca em todo o mundo.

A reportagem completa pode ser acessada aqui. Confira.