Italianos querem tornar café espresso patrimônio imaterial da humanidade
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
Italianos querem tornar café espresso patrimônio imaterial da humanidade

Italianos querem tornar café espresso patrimônio imaterial da humanidade

Bebida tornou-se popular e é considerada “tesouro nacional” para os italianos

< 1 minuto de leitura

Os italianos amam café. Ainda mais que consideram o café espresso um tesouro nacional. Por isso, querem que se torne patrimônio imaterial da humanidade, pela Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura).

O espresso tornou-se também um ritual social e cultural por ser “queridinho” na Itália, com saborosa dose de cafeína.

Pode parecer um número exorbitante, mas os italianos bebem cerca de 30 milhões de cafés espressos diariamente. Seja em copos ou xícaras de porcelanas, segundo matéria da agência AFP publicada pelo GZH.

O Ministério da Agricultura à Comissão Nacional da Unesco, na Itália, enviou a solicitação da inclusão como patrimônio imaterial da humanidade. Que, por sua vez, deve apresentar o pedido à sede da ONU, em Paris, antes de 31 de março. 

Na entrevista à AFP, disponível no GZH, o proprietário do Café Gambrinus, em Nápoles, Massimiliano Rosati, fala sobre os prazeres que o café espresso proporciona. “Tomar um espresso é um pretexto para dizer a um amigo que você se importa com ele”, afirmou. 

Rosati complementa dizendo “bebemos todos os dias, a qualquer hora. É um momento de partilha, um momento mágico”, finalizou o apoiador da campanha.  

De acordo com informações do Instituto Italiano de Espresso, fundado em 1998 e que determinou padrões de produção para o espresso, “o aroma deve ser intenso e rico, floral e frutado, também achocolatado e torrado.” 

O que é patrimônio imaterial da humanidade

A Unesco define como “práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – com instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades, os grupos e, em alguns casos os indivíduos, reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural”. Essa definição consta no site oficial do Iphan (Instituto do Patrimônio Cultural e Artístico Nacional).