MAPA cria padrão de classificação de café torrado
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
MAPA cria padrão de classificação de café torrado

MAPA cria padrão de classificação de café torrado

Documento lançado pelo Ministério da Agricultura define requisitos de qualidade, amostragem e modo de apresentação do café torrado

2 minutos de leitura

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizou nesta terça-feira (10) a cerimônia de assinatura da Portaria que estabelece o regulamento técnico do café torrado no Brasil.

Assim, o documento, que será publicado no Diário Oficial da União, define o padrão oficial de classificação. Com requisitos de identidade e qualidade, amostragem, modo de apresentação e a rotulagem do produto.

“O importante é que essa normativa não é uma intervenção do governo, ela é uma conquista da cadeia produtiva do café”. Enfatizou o ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Márcio Eli.

Padronização do café torrado

Apesar de o Brasil ser o maior produtor mundial de café e de haver iniciativas de controle por parte do setor privado, não havia ferramenta legal para o controle oficial da qualidade do café torrado. A classificação atende uma demanda apresentada pelo setor.

“O resultado desse trabalho é fruto de alinhamento dos objetivos em conjunto com o setor privado. A regulamentação é um marco importante para o agronegócio brasileiro e para os consumidores apaixonados por esse produto”, ressaltou o secretário de Defesa Agropecuária, José Guilherme Leal.

Commodities

Dessa forma, o Padrão Oficial de Classificação do Café Torrado vai facilitar que o órgão fiscalizador possa verificar e controlar a qualidade. Bem como as condições higiênico-sanitárias e a identidade dos produtos, o que agrega valor ao produto tipo exportação.

De acordo com o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, esse é um grande momento e uma conquista para o café brasileiro. “O que está sendo colocado neste regulamento dá uma condição de fiscalização correta ao agente que está na ponta, segurança para o consumidor e uma clareza para a indústria”.

Como é

Atualmente, na comercialização desse produto, os consumidores baseiam-se na qualidade expressa na embalagem. Ou na fidelidade a uma marca, onde se cria, pois, uma expectativa positiva sobre o café que se pretende consumir.

Dessa forma, pela norma, é considerado café torrado aquele que foi submetido a tratamento térmico adequado. Até atingir o ponto de torra desejado, podendo se apresentar em grãos ou moído.

Assim, a previsão é que a normativa de padronização entre em vigor no dia 1º de janeiro de 2023.

Expectativa do setor

“Essa é a comemoração da primeira fase. Hoje a gente se sente feliz porque essa regulamentação já foi tentada antes e agora estamos vendo que as mudanças propostas são para o bem do setor”, disse o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), Celírio Inácio da Silva. A associação representa 84% do setor.

Para o vice-presidente da Comissão de Café da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Thiago Orletti, a classificação é um marco importante para o agronegócio brasileiro, visto que o Brasil é um produtor de cafés certificados e tem um mercado interno crescente com mais de 22 milhões de sacas produzidas e consumidas no país. “Se somos um grande produtor de café com tanta qualidade, precisamos desse avanço e dessa padronização no setor”, afirmou.

Por fim, também participaram da cerimônia de assinatura o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, Glauco Bertoldo; a coordenadora de Regulamentação da Qualidade Vegetal, Karina Coelho; o diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento, Silvio Farnese; a coordenadora-geral do Café, Janaína Macedo; o coordenador de Produção Agrícola da CNA, Maciel da Silva; o diretor de Relações Governamentais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Rogério Castro Vieira; a assistente da CNC, Vanessa Souza; e o advogado da Abic, Felipe Lelis.