Pesquisa confirma segurança para consumo dos vegetais do Brasil
close
Pesquisa confirma segurança para consumo dos vegetais comercializados no país

Pesquisa confirma segurança para consumo dos vegetais comercializados no país

Levantamento mostra que 89% das amostras estão em conformidade; resíduos de defensivos encontrados em algumas culturas não apontam risco agudo para consumo, segundo Anvisa

2 minutos de leitura

A segurança para o consumo de vegetais foi comprovada em um estudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Assim, a pesquisa foi realizada em 2019 e 2020, e divulgada na sexta-feira, 19, no Diário Oficial da União.

Principalmente, o estado mostra que 89% das amostras de produtos de origem vegetal analisadas pelo Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC/Vegetal) estão dentro do nível de conformidade.

Ou seja, os vegetais comercializados no Brasil são seguros para consumo.

Os resultados são do PNCRC/Vegetal, que tem como objetivo monitorar e fiscalizar os resíduos de defensivos agrícolas. Assim como contaminantes químicos e biológicos em produtos de origem vegetal nacionais e importados.

Desde 2019, quando a fiscalização passou a autuar as irregularidades, o Mapa já aplicou mais de R$ 4 milhões em multas. 

Segurança para consumo dos vegetais

Segundo o levantamento, dos 89% de conformidade apontados nas análises, 49% não apresentaram nenhum resíduo e contaminante e outros 40% apresentaram valores abaixo do Limite Máximo de Resíduos (LMR) estabelecido no Brasil.

Assim, apenas 11% das amostras apresentaram algum tipo de inconformidade. Desse total, 10 pontos percentuais representam inconformidades relacionadas a resíduos de defensivos agrícolas e um ponto percentual mostrou a presença de contaminantes, como Salmonella e micotoxinas.

“O estabelecimento dos procedimentos fiscais nas coletas de amostras do PNCRC foi muito importante. Ao passo que o Mapa continua monitorando a situação dos produtos, já é possível a responsabilização dos agentes da cadeia produtiva, nos casos de não conformidade”, diz o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, Glauco Bertoldo. Até 2019, as irregularidades detectadas pelo PNCRC eram apenas notificadas aos infratores.

Análises

O PNCRC analisou no período 37 produtos de origem vegetal: amêndoa, avelã, amendoim, amêndoa de cacau, arroz, alho, alface, abacaxi, batata-inglesa, banana, beterraba, café grão verde, café torrado e moído, castanha de caju, castanha do Brasil, cebola, cevada malteada, citros, cenoura, farinha de trigo, feijão comum (Phaseolus vulgaris), feijão-de-corda (Vigna unguiculata), goiaba, kiwi, manga, mamão, maçã, milho, melão, morango, pimenta do reino, pera, pimentão, soja, trigo, tomate e uva.

Ao todo, a Rede Nacional de Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (Rede LFDA) coletou e analisou 2.601 amostras. Assim, as amostras são oficiais e coletadas por auditores fiscais federais agropecuários em propriedades rurais, estabelecimentos beneficiadores e em centrais de abastecimento.

As análises do PNCRC são feitas em amostras de produtos nacionais e importados. No período, a análise foi em 91% de produtos nacionais e 9%, importados.

Por outro lado, os produtos de origem vegetal que apresentaram 100% de conformidades no período, temos alho, amêndoa, avelã, café, castanha de caju, castanha do Brasil, cebola, cevada malteada, manga e pimenta do reino. Nas inconformidades, abaixo de 70% (a maioria por uso de produtos não permitidos para a cultura) aparecem feijão comum, goiaba, morango, feijão-de-corda e pimentão.

Defensivos agrícolas  

Das 2.601 amostras, 1.777 tiveram o monitoramento de ocorrência de resíduos de defensivos agrícolas, sendo 1.521 amostras conformes e 256 não conformes.

Por fim, as violações em produtos nacionais chegaram a 14%. Desses, 10% defensivos agrícolas não permitidos para a cultura – que não significa, necessariamente, risco para a saúde dos consumidores. Já 4% com uso acima do limite máximo de resíduos – que indica uso inadequado do produto, não seguindo as orientações da bula.

“Neste biênio, não constatamos nenhuma violação por agrotóxicos proibidos no Brasil nas análises, o que demonstra a segurança dos produtos brasileiros”, destaca Bertoldo.