Resiliência de cafeeiros ajuda a reduzir danos causados por geadas
close
Resiliência de cafeeiros ajuda a reduzir danos causados por geadas

Resiliência de cafeeiros ajuda a reduzir danos causados por geadas

Segundo o professor José Donizeti Alves, solução em lavouras atingidas é a poda realizada de acordo com a profundidade do dano; O especialista é um dos palestrantes do Fórum de Café e Clima

3 minutos de leitura

A característica flexível do café ajuda a reduzir os danos causados pelas geadas e desequilíbrios do clima. E esses eventos são cada mais frequentes e se tornando regra, quando deveriam ser exceção.

A afirmação é do professor José Donizeti Alves, da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Ele é um dos palestrantes do terceiro Fórum de Café e Clima da Cooxupé. O evento será no dia 21 de setembro, pela internet.

De acordo com o especialista na área de fisiologia do cafeeiro, o café arábica, por origem, é uma planta de sombra. E como tal, sofre com as mudanças climáticas.

“Se antes o café era cultivado sob sombra, temperaturas amenas e chuvas abundantes durante todo o ano, hoje, no Brasil -maior produtor e exportador de café do mundo- ele enfrenta eventos extremos. Entre eles, altas radiações, temperaturas escaldantes e chuvas escassas e mal distribuídas. Como se não bastasse, geadas e massa de ar frio complicam ainda mais a situação”, diz.

Por outro lado, ainda segundo Alves, o café possui grande capacidade de se adaptar. “A boa notícia é que o cafeeiro é muito resiliente. Depois de um estresse, ele sempre volta ao estado a que estava antes, recuperando sua capacidade reprodutiva.”

Danos causados por geadas

O professor alerta, ainda, que os extremos no clima, principalmente os de calor, serão cada vez mais frequentes. Embora as ondas de frio muito forte também sejam previstas e estão se concretizando.

E sempre que houver uma adversidade no clima que distancia o cafeeiro de sua origem, ele “perde a direção”.

Assim, passa a sofrer uma série de distúrbios, como: baixa fotossíntese, alta transpiração e desequilíbrio hormonal. Além de menor aproveitamento da água e dos nutrientes, queda no transporte e alocação de fotoassimilados e baixa das reservas de carboidratos.

“Portanto, esses fatores comprometem o desenvolvimento da parte aérea e raízes. Provocam a queda de folhas e frutos; induzem baixas taxas de florada e ‘pegamento’ dos frutos; acentuam a bienalidade, levam a seca de ponteiros, reduzem a produtividade e a longevidade da lavoura”, diz Alves.

Soluções

A espécie arábica, graças a programas de melhoramento genético, adaptou-se às variáveis do clima. Dessa forma, ao lado de modernas práticas de manejo, evoluiu e faz do Brasil o maior produtor mundial. 

“Conhecendo, então, como o clima modula o comportamento do cafeeiro, e como as adversidades afetam os processos fisio-morfológicos das plantas, temos a nossa disposição poderosas ferramentas para fazer a fisiologia do cafeeiro ‘trabalhar a nosso favor’ para que produza o máximo possível, e que traga retorno econômico aos produtores de forma sustentável.”

O especialista destaca que, em lavouras com danos causados por geadas, a única solução é a poda. O processo deve ser feito de acordo com a profundidade do dano.

Fórum Café e Clima Cooxupé

Para o professor José Donizeti Alves, instituições isentas do setor, como a Cooxupé, têm de protagonizar ações que mitiguem os efeitos climáticos a fim de gerar e conhecimento de alta qualidade.

Nesse cenário, o Fórum Café e Clima chega em sua terceira edição em um ano que ficará marcado na história da cafeicultura do Brasil. Isso por conta da seca que dura há muitos meses e por três geadas em menos de um mês.

“Não existem soluções simples para problemas complexos, como os eventos extremos do clima. E uma das buscas por essas soluções, passa pelo conhecimento em todas as áreas da cadeia de produção do café e como as adversidades de 2021 podem afetar o café e impactar a safra em 2012”, diz.

Dessa forma, ele diz que o momento é mais que propício e espera que cafeicultores, técnicos de maneira geral e empresas apoiem essas iniciativas.

Assim, as condições do clima e os impactos na safra de café, além das tendências para os próximos anos em relação ao clima, são os principais temas do fórum.

As palestras serão transmitidas on-line na página da cooperativa no Youtube, no dia 21 de setembro, a partir das 14 horas.