Veleiro brasileiro entra na reta final de travessia até a África
Previsão do Tempo
close
Previsão do Tempo
Veleiro brasileiro chega à ilha britânica e entra na reta final de travessia até a África

Veleiro brasileiro chega à ilha britânica e entra na reta final de travessia até a África

O professor Sigismundo Bialoskorski Neto, o Sig, e sua tripulação, atravessam o oceano e contam as impressões sobre Tristão da Cunha

< 1 minuto de leitura

veleiro Kanku dai V, comandado pelo professor Sig, chegou ao arquipélago de Tristão da Cunha, após quase quatro semanas em alto mar, e 22 dias sem terra à vista. A ilha fica no território ultramarino britânico de Santa Helena, a aproximadamente 3 mil quilômetros do Brasil. Assim, a travessia do veleiro brasileiro se aproxima de seu destino final, a África do Sul.

Impressões

Segundo o diário de bordo do capitão, que compartilha nas redes sociais as impressões da travessia, a ilha é uma pequena vila, com muitas máquinas e poucas casas.

“Tristão da Cunha é uma ilha vulcânica muito bela, mas às vezes, aterrorizante. Fomos saudados por golfinhos, mas nenhum habitante”, contou em seu relato.

A expedição, que é apoiada pela Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé, a Cooxupé, pode ser acompanhada pelas redes sociais com informações atualizadas todos os dias neste link.

Travessia até a África

O professor aposentado e ex-diretor da FEA-USP de Ribeirão Preto-SP, Sigismundo Bialoskorski Neto, o Sig, partiu de Ubatuba, litoral de São Paulo. A viagem começou no dia 19 de novembro. Ou seja, uma aventura em alto mar com o objetivo de cruzar o Atlântico Sul a bordo de um veleiro.

O destino final do veleiro é a Cidade do Cabo, na África do Sul.

A viagem percorre aproximadamente 110 milhas náuticas percorridas por dia (cerca de 210 quilômetros).

Dessa forma, a estimativa é que completar o percurso até o Natal, quando terão navegado 6.180 quilômetros.

Café brasileiro no dia a dia

Formado em engenharia agronômica, com pós-doutorado em Economia, Sig é especialista em economia agrícola e leva o café do Brasil na bagagem. 

Assim, o professor compartilhou sua rotina para o café da manhã. O café Prima Qualitá em grão, moído na hora dentro do barco, é mais um companheiro da viagem.